insights

Tesouro Selic com retorno negativo? Entenda por que isso acontece

18.Setembro.2020

O Tesouro Selic, título público negociado pelo programa Tesouro Direto, costuma ser recomendado (sem expor os verdadeiros riscos) para investidores que precisam de liquidez diária, ou seja, que necessitam fazer resgates a qualquer momento.

Isso porque a maior parte das pessoas acha que ele é uma aplicação totalmente pós-fixada que sempre vai garantir um retorno positivo. No entanto, o rendimento desse título possui um pequeno componente prefixado, que em momentos de estresse (como agora) pode fazer com que o papel tenha oscilações negativas.

Nesta sexta-feira (18), por exemplo, a taxa prefixada era de 0,0827%, como mostra a imagem abaixo:

Agora observe o gráfico abaixo e veja que, até o começo do ano, a taxa prefixada embutida nesse mesmo título (Tesouro Selic 2025) era de 0,02% e que ela disparou nos últimos meses, até chegar no nível atual:

Richard Rytenband, economista e CEO da Convex Research, explica que a taxa subiu muito nos últimos meses por conta da situação fiscal brasileira, cada vez mais degradada. Com um aumento da dívida pública e das incertezas macroeconômicas, os investidores exigem um prêmio maior do que os 2% da Selic para investir no Tesouro Selic.

“Até 2019, 95% dos lotes de títulos que o Tesouro Nacional colocava no mercado era comprado pelos investidores. Agora, essa média caiu para 55% e nos últimos leilões foi praticamente zero.  O recado que o mercado está dando é que ninguém quer investir em papéis com retorno tão baixo diante de uma situação fiscal degradada”, diz Rytenband.

Como o Tesouro tenta resolver isso? Aumentando a taxa prefixada embutida no rendimento para atrair mais investidores. Só que isso só beneficia quem leva o título até o vencimento (no caso, 2025).

Já se vender o título antes de 2025 - que é o que a maioria das pessoas faz - a taxa mais alta vai agir de maneira contrária e derrubar o preço do papel.

Isso acontece porque na hora do resgate antecipado, a taxa entra em um dos componentes da fórmula de cálculo, e quanto maior ela for, menor será o preço do título no momento do resgate.

Para entender melhor, é preciso conhecer a maneira como os títulos são precificados. Para se chegar no preço diário do título, é usada a seguinte fórmula:

Preço = VNA * Cotação

Primeiro vamos explicar o que significa cada um desses termos e como calculá-los:

O VNA (Valor Nominal Atualizado) é o rendimento da Selic no período.

Já a Cotação é calculada pela fórmula:

Nesta fórmula, a TAXA é aquele retorno prefixado presente no momento da compra do título.

Já o termo dias/vcto se refere à quantidade de dias úteis que faltam para o vencimento do título.

Usando como exemplo um título que faltasse 249 dias úteis para vencer, e cuja TAXA fosse de 0,0001, teríamos:

 

Logo, o preço do título seria:

Preço = VNA * 99,9901%

Neste exemplo, a cotação não afetou tanto o VNA, porque ela estava muito próxima de 100%. No entanto, quanto maior for a taxa prefixada usada no cálculo e maior o prazo que faltar para o título vencer, menor será a Cotação.

É justamente isso que está acontecendo agora que a taxa prefixada está muito mais alta (0,0827%).

Quem acessar o site do Tesouro Direto e observar a página que mostra o rendimento dos papéis vai perceber isso. Veja na imagem abaixo que a rentabilidade do título Tesouro Selic com vencimento em 2025 está negativa em 0,09% nos últimos 30 dias.

Fonte: Tesouro Direto (18/09/2020)

 

O mesmo aconteceu em 2002

Rytenband lembra que uma situação parecida com essa aconteceu em 2002, quando o país também enfrentava uma grave crise de confiança. Naquela época, os fundos ainda não colocavam na cota a variação diária dos preços dos papéis (marcação a mercado), algo que passou a ser obrigatório justamente por conta desse episódio.

Logo que a marcação a mercado começou a ser exigida pelo Banco Central, as cotas dos fundos DI desabaram, assustando os investidores. Veja abaixo a manchete do jornal Folha de S. Paulo nesta ocasião:

Onde colocar a reserva de emergência

Como você pode perceber, o Tesouro Selic pode não ser uma boa aplicação para a reserva de emergência - aquele dinheiro que todo investidor deve ter para garantir o pagamento das suas despesas em caso de algum evento inesperado, como a perda do emprego.

As principais características de uma aplicação adequada para a reserva de emergência, são:

- segurança;
- liquidez;
- baixa volatilidade;
- baixíssimo risco de crédito.

Convex

Receba nossa Newsletter