insights

Personalidades do Mercado: Jim Simons

09.Outubro.2020

Um gênio da matemática que usou todo seu conhecimento para criar uma abordagem de investimentos quantitativa sofisticada e eficiente e se tornou uma lenda mercado financeiro. Este é Jim Simons, fundador da Renaissance Technologies, gestora responsável pelo emblemático fundo Medallion.

Simons nasceu em 1938 em Brookline, pequena cidade no estado de Massachusetts, nos EUA. Desde a infância sempre teve muita facilidade com números e com apenas 20 anos formou-se em matemática pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology), instituição que é referência mundial nas áreas de ciências e tecnologia.

Três anos depois, ele conquistou o título de PhD em matemática pela universidade de Berkeley, na California.  Na década de 1960, foi chamado para trabalhar na NSA (Agência de Segurança Nacional  dos EUA, na sigla em inglês) ajudando a decifrar códigos matemáticos complexos.

“A NSA tinha uma política de trabalho muito boa. Eu podia me dedicar a eles metade do tempo, e na outra metade permanecia focado nas minhas pesquisas. E eles pagavam muito bem”, disse Simons em uma rara entrevista para o TED em 2015.

No entanto, em 1967 ele foi demitido do emprego na NSA. Sua saída não aconteceu por falta de competência, já que ele era um dos maiores gênios na sua área. O problema foi seu posicionamento em relação à guerra do Vietnâ.

Procurado por um repórter da revista Newsweek, ele deu uma entrevista criticando o confronto, o que irritou o alto comando militar dos EUA. “Eu não gostava daquela guerra. Achava estúpida”, diz Simons.

Depois que deixou de colaborar com a NSA, ele voltou a se dedicar exclusivamente às suas pesquisas matemáticas, lecionando no próprio MIT e em Harvard. Durante quase 30 anos ele trabalhou na área de geometria e topologia das variedades, desenvolvendo uma série de teorias e ajudando empresas com seus modelos matemáticos.

Entre 1968 e 1978, foi presidente do departamento de matemática da Stony Brook University, em Nova York. Em 1973, Simons foi convidado pela IBM para decifrar blocos de criptografia de dados altamente complexos, chamados de Lúcifer.

Seu enorme conhecimento de modelagem financeira o levou para Wall Street. Em 1988, aos 50 anos, Simons fundou a Renaissance Technologies, uma gestora especializada em fundos quantitativos.

Desde 1988, o fundo Medallion, criado por ele, tem um retorno anualizado médio de nada menos do que 39% já líquido de taxas de administração e de performance, o que o coloca entre os fundos de investimentos mais rentáveis do mundo.

Um dos segredos para conseguir resultados tão acima da média é a maneira como Simons decidiu montar sua equipe. Em vez de contratar operadores e analistas do mercado financeiro, ele foi atrás de cientistas que, assim como ele, tinham muita facilidade com modelagem matemática.

“O desafio foi juntar uma enorme quantidade de dados. No começo, fizemos isso manualmente. Copiamos taxas de juros do Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA), por exemplo, porque nada era digital naquela época. Conseguimos muitos dados e tínhamos pessoas muito inteligentes [na equipe]. Esta foi a chave”, afirmou.

Com o passar do tempo e com mais acesso a dados por conta do avanço tecnológico, os modelos utilizados pelo Medallion foram se tornando cada vez mais sofisticados e os retornos do fundo foram exponenciais

“Armazenávamos e manipulávamos alguns terabytes de dados todos os dias, deixando-os prontos para a análise. Tentávamos simular diferentes modelos preditivos até ficarmos cada vez melhores naquilo que fazíamos”, disse Simons ao TED.

Hoje, aos 82 anos, Simons é membro do conselho da Renaissance Technologies e figura na 23 posição da lista de bilionários da Forbes, com uma fortuna estimada em US$ 23,5 bilhões.

Ele também se dedica à filantropia e já doou mais de US$ 2,7 bilhões para causas filantrópicas. Em 2004, criou a Math for America, uma organização sem fins lucrativos que visa melhorar o ensino da matemática nas escolas públicas dos Estados Unidos.

 

 

Convex

Receba nossa Newsletter