insights

O efeito manada na economia

26.Novembro.2019

Muito se fala no mercado financeiro sobre o efeito manada, quando um grupo de indivíduos atuam na mesma direção sem saber exatamente o por que de suas tomadas de decisão, apenas seguindo o coletivo. 

É um fenômeno que pode ser visto durante grandes choques de preço ou com notícias e recomendações de grande repercussão, que podem causar desde saídas generalizadas dos investidores diante do alarmismo de alguns agentes do mercado ou até mesmo a criação de bolhas.

Para compreensão do efeito manada, trazemos no post de hoje um dos mais célebres acadêmicos a se debruçar no assunto, que foi o francês Gustave Le Bon, pensador das áreas de medicina, sociologia e psicologia. Foi em seu livro A Multidão: Um Estudo da Mente Popular (1895), que ele apresentou sua visão da Teoria das Multidões, que trouxe as bases para estudos posteriores sobre comportamento em massa e que explica os efeitos de manada, visto nos mercados de tempos em tempos. 

Segundo Le Bon, os indivíduos em uma multidão organizada correm o risco de descer vários degraus na escada da civilização, ou seja, se comportar de uma forma primitiva. "Um indivíduo em uma multidão é um grão de areia em meio a outros grãos de areia, que o vento agita à vontade" diz Le Bon em seu trabalho seminal. Ele explica que o processo para a criação de uma multidão psicológica passa por três etapas: a primeira é o anonimato, a condição básica para que o indivíduo se sinta livre para praticar atos que não faria em situações normais; se sentindo livre para agir de maneira contrária a sua natureza, o indivíduo em situação de multidões se torna suscetível a aceitar sugestões, configurando assim a segunda etapa da teoria de manada de Le Bon; a última parte da “conversão” é o contágio, quando a disseminação dos comportamentos em grupo suprimem os desejos individuais por desejos coletivos. 

Para conseguir identificar um caso de efeito manada, Le Bon delimitou três características e dois sentimentos que definem o comportamento de indivíduos que caem neste fenômeno:

  • Pessoas movidas por sentimento e ideias na mesma direção, criando assim uma monocultura;

  • O desaparecimento da personalidade individual, fazendo com que todos pareçam e pensem de maneira similar;

  • Ocorre o desaparecimento da atividade cerebral, formando assim, o que se denomina mente coletiva;

Sentimentos da manada:

  • Os membros da manada se tornam impulsivos, cedendo aos seus instintos mais básicos de sobrevivência;

  • Tem tendência forte a sugestão, podendo facilmente aceitar sugestões e manipulações;

  • Ao fazer parte da manada, a pessoa se torna exagerada e ingênua. 

Mais do que entender a psiquê humana, a teoria de Le Bon defende a existência de uma natureza primitiva no ser humano que quando acionada, extingue momentaneamente a razão. Esta é uma característica importante para compreender o comportamento de manada na economia, quando o investidor passa a ignorar os sinais em prol de seguir uma tendência de momento, desprezando o gerenciamento de risco. Portanto, fique sempre atento aos sinais da economia e não se deixe guiar pela manada! 

 

Convex

Receba nossa Newsletter