insights

Mercado atual de bitcoin se assemelha a “bull market histórico” de 2016, diz Grayscale

24.Agosto.2020

A estrutura atual do mercado de bitcoin se assemelha com 2016, quando a criptomoeda mais do que dobrou de valor em dólar e atingiu a máxima histórica até então. A afirmação consta no relatório “Valuing Bitcoin”, divulgado pela gestora de fundos de criptomoedas Grayscale Investments.

“Esta análise indica que a atual estrutura de mercado de bitcoin é paralela àquela do início 2016, antes de começar o ‘Bull Market’ histórico”, diz o relatório, assinado pelo analista Phil Bonello. Naquele ano, o bitcoin passou de US$ 400 em março para mais de US$ 1.000 no final de dezembro.

Uma das semelhanças pode ser vista no gráfico que mostra a quantidade de especuladores e de investidores de longo prazo (holders). Tanto em 2016 quanto agora, o número de investidores de longo prazo está em alta, enquanto o de especuladores vem diminuindo. “A imagem do gráfico parece potencialmente promissora para o bitcoin”, aponta a gestora.

Fonte: Grayscale, Coin Metrics

De acordo com o relatório, os investidores estão procurando cada vez mais maneiras de se proteger contra uma oferta monetária em constante expansão, em meio a estímulos monetários e fiscais sem precedentes realizados nos últimos meses – principalmente por conta da desaceleração econômica provocada pela pandemia de Covid-19.

“Para entender o papel do bitcoin hoje, vale a pena explorar a história monetária dos últimos 50 anos. Acreditamos que a demanda por um ativo monetário escasso como o bitcoin cresce à medida que a inflação monetária global se acelera”, aponta a gestora de criptomoedas.

A Grayscale destaca que ao longo das últimas décadas, a flexibilização da política monetária incentivou o mercado a assumir dívidas para adquirir ativos. Mas em 2008, em meio à crise econômica global, parte dessa dívida precisou ser desfeita.

“O Quantitative Easing (QE) foi implementado para mitigar a espiral da dívida e apoiar a economia, mas acabou agravando ainda mais o problema. Dito de outra forma, esse afrouxamento da política monetária fez com que o dinheiro fosse canalizado para ativos financeiros em vez de ir para a economia real. Isso aumentou ainda mais a desconexão entre o mercado de capitais e a economia real”, escreve o analista.

A Grayscale aponta que o balanço do Federal Reserve passou de menos de US$ 1 trilhão em 2008 para mais de US$ 4 trilhões em 2014. Como a economia deu sinais de força, o Fed tentou reverter essa expansão, mas a resposta do mercado foi desfavorável: o S&P 500 recuou aproximadamente 20% em apenas três meses.

“Parece que o QE não pode ser revertido sem criar grandes crateras nos mercados financeiros”, destaca o analista da gestora.

O gráfico abaixo mostra que o Federal Reserve vem imprimindo moeda mais rápido do que nunca, naquilo que foi apelidado de “QE Infinito":

Fonte: Grayscale, Coin Metrics

Com isso, apesar do dólar permanecer forte em relação a outras moedas, o “QE Infinito” vem causando cada vez mais desconfiança nos investidores em relação às pressões inflacionárias, o que impacta diretamente no mercado de bitcoin.

“Por conta das qualidades únicas do bitcoin - como sua escassez e a emissão que não pode ser controlada por uma autoridade central - nós acreditamos que ele pode ser aproveitado como uma reserva de valor e como uma forma de escapar desta grande inflação monetária (...) o ambiente econômico atual apresenta uma oportunidade para explorar o bitcoin como parte de um portfólio resiliente”, conclui a Grayscale.

Convex

Receba nossa Newsletter